segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Papo de cozinha: mini cupcakes de baunilha com brigadeiro de chocolate meio amargo

Obaaa!!! As receitinhas voltaram!

Bom dia pra todo mundo que, assim como eu, adora uma baguncinha na cozinha!

Nesse feriado, por motivos óbvios, fiquei em casa com as crias e meu filhote mais velho adora um bolinho, tanto comer quanto me ajudar a fazer. Me ajuda daquele jeitinho que só uma criança de 3 anos sabe (bagunça, confusão e gritaria mode on!), mas a carinha de satisfação do pequeno comendo massa crua e depois que o bolo fica pronto não tem preço! Enfim, sem nada pra fazer, indo pra casa da minha mãe almoçar, resolvi fazer um bolo pra tomar com café e logo pensei: "porque não mini bolos confeitados?" Porque fazer? Porque não fazer? Fiz!!!! Em 30 minutos estava tudo prontinho e era só confeitar!

Vamos à receita!

Massa suficiente para 60 mini cupcakes:
2 ovos
1 xícara de açúcar
1/2 caixinha de creme de leite
1 + 1/4 de xícara de farinha de trigo
1 colher de café de essência de baunilha
1 colher de chá bem cheia de fermento em pó

Bata as 2 claras em neve firme, junte as gemas. Acrescente o açúcar e bata bem. Acrescente o creme de leite, a farinha (se possível peneirada), a essência de baunilha e, por último, o fermento. Aqueça o forno uns minutos à 200º, coloque as forminhas de papel nº 3 na forma de inox especial para mini cupcakes.


Encha as forminhas até a metade e ponha no formo por no máximo 15 minutos. Teste se está assado com um palito de dente: enfie em um bolinho até o final, se o palito sair limpo é porque já está assado. Não deixe corar demais. Retire da forma de inox e deixe esfriar.

Brigadeiro de chocolate meio amargo:
1 lata de leite condensado
1/2 caixinha de creme de leite
1/2 barra de chocolate meio amargo
1 colher de sopa de manteiga sem sal
1/2 xícara de leite
1 colher de sopa bem cheia de amido de milho

Junte todos os ingredientes, menos o leite e o amido de milho, numa panela e, em fogo médio, mexa até começar a borbulhar. Dissolva o amido de milho no leite sem deixar bolinhas e acrescente, ainda com o fogo aceso, mexendo sem parar para não empelotar. O ponto certo será quando começar a soltar da panela. Sem o amido de milho, o brigadeiro ficará com um ponto de chicletinho, como os brigadeiros de festa e ficará difícil para manusear com saco de confeiteiro.
Para confeitar, usei saco de tamanho pequeno e bico pitanga número 22 da marca Celebrate (ou o que vc quiser!!).


Mini cupcakes prontos!!!  


Monte de beijos!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Dica de amiga: evitando as estrias na gravidez

Olá!

Hoje o assunto é ameno, alguns podem até achar banal ou fútil, mas sabendo que nos cuidar e nos acharmos bonitas é importante pra auto-estima e, assim, para nossa felicidade, resolvi contar o que usei nas minhas 2 gestações para evitar as tão temidas estrias.

Em primeiro lugar, o quê são as estrias? São cicatrizes ocasionadas pelo rompimento das fibras elásticas e de colágeno geradas por estiramento excessivo ou rápido da pele ou por mudanças hormonais que acontecem durante a gestação. Além disso, a gente deve entender que essa coisa de ter estrias depende não só do produto que você usa no tratamento antes - durante - depois da gestação (é! Tudo isso!), mas também do seu tipo de pele e fatores hereditários, ou seja, se sua mãe e avó tiveram sua chance de ter também aumentam, tem também o ganho de peso exagerado que é o motivo principal  do aparecimento de estrias na gravidez.

Minhas dicas são:

  1. CONTROLE O SEU PESO! Isso não será importante apenas para manter sua pele lisa, mas para que você não tenha diabetes gestacional, para que seu bebê nasça de tamanho normal e sem diabetes, para que, após o parto, você consiga voltar ao seu peso normal, para sua pressão se manter normal...é tanta vantagem controlar o peso durante a gravidez que a estria é o mais simples! Mas como nosso foco são elas, ganhei na primeira gestação 14kg e na segunda 8,5kg, sendo que na primeira ganhei mais peso porque estava muito magra (abaixo do meu peso normal) e anêmica, minha barriga não ficou imensa, fora do normal em nenhuma delas e, além disso, tenho a pele bastaaannnnnnnte flácida (Humpf!!) o que contribuiu pra que eu não tivesse nenhuma estriazinha durante a gravidez.
  2. HIDRATE SUA PELE! A pele tem que estar hidratada para que as fibras não se rompam e aguentem a pressão que o crescimento da pele faz durante a gravidez. Pesquisando um pouco descobri quais os componentes indicados para um bom hidratante nesse período: produtos que contenham em sua fórmula ureia (máximo 3%), lactato de amônia, colágeno, elastina, vitamina E e óleos vegetais são os recomendados. 
  3. CUIDADO COM HIDRATAÇÃO DOS SEIOS! Trate de evitar a região das auréolas e mamilos, eles estão se preparando para a amamentação e hidratantes podem deixar a pele dessa região muito finas e sensíveis podendo causar rachaduras no início da amamentação (e dói demais, viu!!!).
Os produtos que usei:

Esse primeiro produto usei das 2 gestações, sendo que na primeira usei só ele, 2 vezes por dia. É o Elast Cream, da ADCOS. Ele é muito bom, não fica melado, seca rapidinho na pele e não tem cheiro forte (perfume). Esse recomendo pra todo mundo!! Ah! E pode ser usado desde que é descoberta a gravidez e foi o que fiz.

Já o Bio-Oil, usei a partir do sexto mês da minha segunda gestação, intercalando com o da ADCOS de manhã e à noite o Bio-Oil. Ele é bem aguadinho, tem um perfume que é suportável e seca rápido na pele, mas quando tomava banho pela manhã sentia a pele oleosinha. Ganhei de uma amiga que usou apenas um pouco e teve alergia... Tive um pouco de medo de usar por causa desse histórico, mas comigo não aconteceu nada. No vidro diz que, na gestação, só pode ser usado a partir do 2º trimestre, ou seja, do sexto mês.

Nos seios, só na segunda gestação, usei o Mustela específico para seios. Passava beeemmmm pouquinho só por fora da auréola, mas admito que não usei por muito tempo, pois tive medo de deixar a pele sensível demais. Na primeira gravidez não passei absolutamente nada no peito. 

Essas foram as minhas experiências, ok. Conversem com as amigas mães, com a sua mãe, sua avó (elas sempre tem uma receitinha pra tudo!) e façam o que melhor couber na sua vontade, paciência e no seu bolso.

Independente de como seu corpo fique após a gravidez, lembre-se sempre de que todas as mudanças aconteceram porque você gerou, dentro de você, um novo ser e isso é o maior milagre da vida! Já somos lindas e especiais por termos essa capacidade, independente de ter ou não estrias ou qualquer outra coisa que as pessoas julguem "feias". Se ache linda, se ache perfeita, pois seus filhos acham isso de você!!!

Monte de beijo e sejamos felizes!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Saiba se você é FEMINISTA

Bom dia!
Acredito que alguns leitores vão pensar que eu fiquei um pouco louca nesse último ano, mais radical, xiita, ‘feminazi’, revolucionária...ACERTARAM! Fiquei mesmo! A maternidade e um pouquinho de estudo fazem isso com as mulheres (pelo menos com algumas), mas isso não quer dizer que não postarei mais nada sobre maquiagem, comida, as blogterapias...uma coisa não impede a outra, ok.
Como estou mais feminista do que nunca (e assim ficarei para todo o sempre), resolvi procurar um texto de simples compreensão para quem quiser saber o que é o feminismo, o quê a causa defende e achei esse aí embaixo. Ele é bem simples, de fácil leitura e tem até um teste pra saber se você é ou não feminista.
Esse texto é da Clara Averbuck e está no Blog Feminismo Pra Quê , do site da Carta Capital.

FEMINISMO PARA LEIGOS
“É assustadora a quantidade de gente que não sabe o que é feminismo. Ninguém tem a obrigação de saber, é claro, mas a partir do momento em que você decide opinar sobre um assunto, é de bom tom saber do que se trata.  As pessoas são "contra" o feminismo sem sequer saber o que significa.
É comum escutar:
"Não sou feminista, sou feminina",
"Não sou feminista e nem machista",
"Não sou feminista e nem machista, sou humanista",
"Não sou feminista, acho que todos deveriam ser tratados igualmente e ter os mesmos direitos".
Bom, vamos lá.
Feminismo não prega ódio, feminismo não prega a dominação das mulheres sobre os homens. Feminismo clama por igualdade, pelo fim da dominação de um gênero sobre outro. Feminismo não é o contrário de machismo. Machismo é um sistema de dominação. Feminismo é uma luta por direitos iguais.
Então se você diz "não sou feminista, acho que todos deveriam ser tratados igualmente e ter os mesmos direitos" você está dizendo, exatamente: "não sou feminista, mas sou feminista". E se você se diz humanista, bom, acredito que saiba então que o humanismo é uma filosofia moral baseada na razão humana e na ética, que coloca o ser humano acima do sobrenatural, de deuses, de dogmas religiosos, da pseudociência e das superstições e que não tem nada a ver com o assunto.
Existe essa grande falha lógica que é o sujeito achar que você tem que ser contra uma coisa pra ser a favor de outra; neste caso, "contra" os homens para ser "a favor" das mulheres. O feminismo não luta contra os homens, e sim contra o supracitado sistema de dominação, que, veja só, privilegia os homens e foi criado por... homens. Fica clara a diferença entre lutar contra um sistema e lutar contra todo um gênero?
Feminismo não tem nada a ver com deixar de usar batom, salto ou cercear sua liberdade sexual. Ninguém vai confiscar sua carteirinha de feminista se você usar rímel. Mas te abre para a possibilidade de só usar maquiagem quando quiser, não porque tem que obrigatoriamente estar impecável e linda todos os dias a enfeitar o mundo.
Feminismo não tem nada a ver com ser inimiga dos homens. É claro que existem feministas que não os toleram, mas até aí, existem mulheres que não são feministas e também odeiam homens, né? E você não é obrigada a ser uma delas.
Feminismo não tem nada a ver com esconder o corpo; muito pelo contrário, exigimos o direito de andar com a roupa que bem entendermos sem assédio ou constrangimentos. Taí a Marcha das Vadias que não me deixa mentir.
Feminismo não tem nada a ver com não ter filhos, e sim com a escolha de como e quando esses filhos virão, e se virão.
Feminismo não tem nada a ver com não ser feminina. E nem com ser.
Feminismo tem a ver com liberdade, com eu, você, elas e eles podermos todos viver e ser sem ninguém dando pitaco em como devemos nos portar, como devemos nos vestir, o que devemos dizer, do que devemos fazer com nossos corpos.
Outra coisa importante: nem todas as feministas estão de acordo a respeito de todos os tópicos. Cada um constrói seu feminismo. Como disse a Tavi Gevinson, a jovem editora da RookieMag, em uma palestra do TEDxTeen, o feminismo não é um livro de regras, mas uma discussão, uma conversa, um processo. E cada um tem o seu. Feminismo, caros, não é uma seita que reprime e excomunga quem quebra seus preceitos.
Vale sempre lembrar que o mundo machista também faz mal aos homens com esse negócio de que eles têm que ser os provedores, que eles têm que ser durões, que não podem chorar, que não podem demonstrar nenhuma característica atribuída ao feminino porque isso é considerado uma fraqueza - já que as mulheres são consideradas mais fracas, logo, inferiores. Gay é "xingamento" porque ser gay é ser um homem mulherzinha. Chega de reproduzir conceitos sem sequer parar para pensar neles.
Há um teste simples, criado por Cynthia Semíramis, pra saber se você é uma pessoa que se identifica com o feminismo:

1. Você concorda que uma mulher deve receber o mesmo valor que um homem para realizar o mesmo trabalho?

2. Você concorda que mulheres devem ter direito a votarem e serem votadas?
3. Você concorda que mulheres devem ser as únicas responsáveis pela escolha da profissão, e que essa decisão não pode ser imposta pelo Estado, pela escola nem pela família?
4. Você concorda que mulheres devem receber a mesma educação escolar que os homens?
5. Você concorda que cuidar das crianças seja uma obrigação de ambos os pais?
6. você concorda que mulheres devem ter autonomia para gerir seu dinheiro e seus bens?
7. Você concorda que mulheres devem escolher se, e quando, se tornarão mães?
8. Você concorda que uma mulher não pode sofrer violência física ou psicológica por se recusar a fazer sexo ou a obedecer ao pai ou marido?
9. Você concorda que atividades domésticas são de responsabilidade dos moradores da casa, sejam eles homens ou mulheres?
10. você concorda que mulheres não podem ser espancadas ou mortas por não quererem continuar em um relacionamento afetivo?
Respondeu sim pra tudo?
Está confortável na cadeira?
Você é pró-feminismo, ou até... Feminista! Uau!
Você não precisa ser ativista para ser feminista. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Se você acredita na igualdade de direitos entre homens e mulheres, você é feminista.
As pessoas confundem feminismo com um monte de coisas. As pessoas têm medo da palavra FEMINISMO.
Feminismo. Feminista. Feminismo. Feminista. FE-MI-NIS-MO.
Feminismo é sobre liberdade.
E é difícil ser realmente livre neste mundo.”

Leiam e reflitam!
Monte de beijo!